Login | Registar


Resultados por Página:
10 20 50 100

Empresa portuguesa que encomendou nitrato de amónio que destruiu Beirute vai ser investigada

Companhia Moura & Silva, da Póvoa de Lanhoso, é proprietária da Fábrica de Explosivos de Moçambique, que encomendou as 2.750 toneladas do composto químico que esteve na origem da explosão.

Tratou-se de uma “encomenda normal”, explicou ao jornal Público um porta-voz da Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM), que em 2013 iria comprar as 2.750 toneladas de nitrato de amónio caso elas estivessem chegado ao destino - a cidade da Beira, no norte do país - e não acabado guardadas no porto de Beirute, no Líbano, onde acabaram por explodir na semana passada.

A FEM é detida pela empresa Moura & Silva, originária da Póvoa de Lanhoso e o maior fabricante de explosivos de Portugal, segundo o Correio da Manhã. Este jornal adianta que o Serviço de Informações de Segurança (SIS) e o Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) vão investigar a empresa, incluindo possíveis riscos para interesses portugueses em África.

A carga, vinda da Geórgia, tinha como destino a Beira, porque é lá que fica o centro de recepção desta empresa de explosivos, acrescenta o Público. A Moura & Silva não adiantou para que fim o nitrato de amónio seria utilizado - uma das hipóteses seria nas minas de carvão da província de Tete, próxima da Beira, onde a FEM opera.

expresso.pt