Login | Registar


Resultados por Página:
10 20 50 100

Entre entusiasmo e críticas, Francisco chega hoje a Moçambique

Este é o melhor dos tempos e o pior dos tempos para o Papa Francisco visitar Moçambique. Um acordo de paz e reconciliação acabou de ser assinado entre o Governo e a Renamo e muitos vêem na sua chegada a bênção que poderá tornar essa paz estável e duradoura. Mas o país está no meio da campanha eleitoral para as eleições de 15 de Outubro e há quem encare a presença do chefe da Igreja Católica como um trunfo eleitoralista que o partido no Governo, a Frelimo, não deixará de aproveitar.

“Acredito que o Papa conhece a situação de Moçambique e mesmo a possibilidade de a Frelimo utilizar a sua visita para aproveitamento político”, diz ao PÚBLICO Alfredo Manhiça, franciscano, padre da catedral da Beira e professor na Universidade Católica de Moçambique. No entanto, a “mensagem de reconciliação” que Francisco traz tem força para superar o lado imediato e comezinho do uso da visita com fins eleitoralistas: “Pode despertar o desejo de fazer um esforço para que se eliminem os elementos que perturbaram a paz nestes últimos anos”.

Francisco aterra esta quarta-feira ao final da tarde em Maputo para uma visita de três dias, onde se inclui um encontro com o Presidente Filipe Nyusi (quinta-feira), antes de reuniões com autoridades, representantes da sociedade civil e corpo diplomático acreditado em Moçambique, no fim do qual fará o seu primeiro discurso. Será o primeiro momento para aferir do tom adoptado pelo Sumo Pontífice nesta visita. Embora, o momento mais importante dos três dias no país, seja a missa ao ar livre no Estádio Nacional do Zimpeto, na sexta-feira. Esperam-se 90 mil fiéis num país que é ainda hoje muito cristão, mas que já se tornou mais protestante que católico. De acordo com os dados do censo de 2017, 8,8 milhões de protestantes, 7,3 milhões de católicos e cinco milhões de muçulmanos no país.

“A visita de um Papa reveste-se sempre de muita importância”, explica ao PÚBLICO Elísio Macamo, professor moçambicano da Universidade de Basileia, na Suíça, porque “traz conforto aos católicos e dá, também, um certo reconhecimento ao governo anfitrião”. Daí que, para o sociólogo, especialista em Assuntos Africanos, “o timing” da visita seja “um desastre diplomático” porque “revela falta de respeito pelo país e seus processos e uma certa falta de sensibilidade diplomática”.

Com uma agenda limitada, cingida a Maputo, sem contacto com as zonas de Moçambique atingidas pelos ciclones Idai e Kenneth (Centro e Norte) e a província que está a braços com a violência fundamentalista islâmica(Cabo Delgado), não admira que a visita de Francisco esteja a ser muito criticada, mesmo que, como refere ao PÚBLICO Marcelo Mosse, director do jornal online Carta de Moçambique, a influência da sua presença no resultado das eleições de 15 de Outubro seja negligenciável.

“Não acho que possa ter um impacto profundo em termos de favorecer o Governo”, até porque, refere Mosse, “a própria oposição está alinhada com a vinda do Papa”. Existe “um consenso nacional sobre a importância da visita do Papa”, “sobretudo porque o país acaba de alcançar um acordo de paz e há a perspectiva de que possa vir abençoar essa paz”.

Numa altura em que “Moçambique está a viver um período de incerteza política, a presença do Papa é confortante”, diz Alfredo Manhiça. “A mensagem que traz é uma mensagem de reconciliação e isso pode despertar o desejo de um esforço para eliminar os elementos que perturbaram a paz nestes últimos anos”, acrescenta.

No entanto, “mesmo tendo em conta que as eleições estão completamente vazias de sentido e conteúdo, a visita atrapalha”, contrapõe Elísio Macamo, porque “a verdade é que vai dar ao partido no Governo uma oportunidade única de brilhar aos olhos dos eleitores, sobretudo aos que são católicos”. Quanto mais não seja, “é concorrência desleal”.

Catolicismo na defensiva

Ao contrário da visita de João Paulo II a Moçambique em 1988, a primeira de um Sumo Pontífice ao país, a de Francisco agora não é tão importante para o executivo de Filipe Nyusi, porque a Frelimo “não precisa assim tanto da legitimidade do Vaticano”. Antes pelo contrário, explica Macamo, hoje “o Vaticano precisa mais de Moçambique”, porque “o catolicismo está na defensiva em Moçambique, acossado pelos evangélicos”. Para o professor da Universidade de Basileia, “isso até pode explicar porque o Papa preferiu ignorar a campanha eleitoral”.

publico.pt