Login | Registar


Resultados por Página:
10 20 50 100

Reino Unido. Há duas portuguesas entre as líderes criativas do futuro

Há duas publicitárias portuguesas residentes no Reino Unido na lista de líderes criativas do futuro: Sara Soares e Maria Inês Leiria, diretoras criativas associadas na Wunderman.

As duas Criativas no Mundo foram eleitas pela Creative Equals entre mais de três dezenas de criativas mulheres que, com o seu trabalho, estão a ajudar a mudar o sector da comunicação.

“Dum ponto de vista pessoal é uma honra. E fico contente por haver instituições como a Creative Equals que se esforça por dar visibilidade a frações da indústria que ainda hoje são menos visíveis. Não é raro eu ser a única mulher numa sala de reuniões, entre outras 20 pessoas”, começa por comentar Sara Soares. “Do ponto de vista da indústria – espero que o futuro seja feminino e não só. Espero que tenha mais identidades de género, mais cores, mais religiões, mais sexualidades, pessoas de todo o mundo”, acrescenta.

“A próxima geração de líderes, sejam diretores criativos ou CEO, de agências ou clientes, tem de reflectir a sociedade onde vivemos. Menos do que isso, é derrota. Como disse a Marian Wright Edelman (mas mais importante – como disse a Beyoncé no seu novo doc do Netflix) “you can’t be what you can’t see””, resume a Criativa no Mundo.

Sara Soares e Marias Inês Leiria são dupla há seis anos. Começaram a trabalhar juntas na McCann Lisboa, e em Londres uniram forças criativas na FullSIX, na RAPP, na VCCP e, agora, na Wunderman. O júri da Creative Equals destacou, entre outras campanhas, o trabalho de rebranding desenvolvido para os collants Heist e a campanha Live the Story, para a Cannon, que conseguiu 70 mil seguidores em apenas duas semanas.

A Creative Equals é uma organização que ajuda as agências e clientes a criarem estruturas mais igualitárias em publicidade. Com o destaque dado ao trabalho de mulheres no sector da publicidade querem com isso dar visibilidade à nova geração de criativas e, com isso, mudar a indústria.

Os dados da organização revelam a urgência da mudança: 75% das mulheres criativas têm um chefe homem; o seu trabalho tem 10% menos probabilidades de ser inscrito em festivais e 12% está a pensar abandonar a indústria nos próximos dois anos; têm 30% de probabilidade de receber formação. Apenas 12-16% de diretores criativos são mulheres. O que resulta em diferenças salariais.

dinheirovivo.pt